Comunicação Organizacional e Relações Públicas ganham representação institucional na comunidade científica nacional
No último dia 13 de maio, foi criada a Abrapcorp - Associação Brasileira de Pesquisadores da Comunicação Organizacional e das Relações Públicas. O evento ocorreu em sessão especial do Endecom 2006 - Fórum Nacional em Defesa da Qualidade do Ensino de Comunicação, realizado pela Intercom e pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

A idéia de criação da Abrapcorp, sob a liderança da Profa. Dra. Margarida Maria Krohling Kunsch, tomou corpo no I Fórum de Pesquisadores Brasileiros de Comunicação Organizacional e Relações Públicas, em 15 de outubro de 2005, no contexto da discussão nacional sobre a proposta de reclassificação das subáreas da Comunicação Social, do CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, realizada na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Na ocasião, constituiu-se um comitê de elaboração do estatuto da entidade, formado por pesquisadores de diferentes regiões do Brasil: Margarida M. Krohling Kunsch (ECA-USP), Adriana M. Casali (UFPR), Cleusa Andrade Scroferneker (PUC-RS), Fábio França (Umesp, Ivone Lourdes de Oliveira (PUC-Minas), Marcio Simeone Henriques (UFMG), Maria Aparecida Ferrari (Umesp/ECA-USP), Maria do Carmo Reis (UFMG) e Paulo Nassar (ECA-USP/Aberje). O estatuto foi aprovado na Assembléia Geral de Fundação de 13 de maio.

A nova associação congrega acadêmicos e outros profissionais que, tendo por objeto de estudo a comunicação sob todas as perspectivas e aplicações, se dedicam de modo especial às pesquisas nos campos da Comunicação Organizacional e das Relações Públicas. Seu objetivo geral é estimular o fomento, a realização e a divulgação de estudos avançados nos dois campos. Especificamente, ela buscará fomentar o intercâmbio entre a academia e o mercado, valorizar as atividades das duas áreas no ambiente acadêmico e profissional, dentro de uma comunicação organizacional integrada, e contribuir, através do exercício da comunicação, para a consolidação do processo democrático do País.

A existência de uma associação científica de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas, além disso, permitirá uma interlocução mais representativa dessas áreas com as demais entidades acadêmicas e profissionais das duas áreas, a comunidade das Ciências da Comunicação, o CNPq, a Capes e os demais órgãos de fomento à pesquisa.

Na Assembléia Geral de Fundação foram eleitos os membros da primeira Diretoria Executiva, do Conselho Consultivo e do Conselho Fiscal. A Diretoria Executiva é formada por: Profa. Dra. Margarida Maria Krohling Kunsch (ECA-USP) – presidente; Profa. Dra. Ivone de Lourdes Oliveira (PUC-Minas) – vice-presidente; Profa. Dra. Claudia Moura (PUC-RS), diretora científica; Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias (Cásper Líbero/Unicsul/ECA-USP) – diretor administrativo; Prof. Dr. João José de Azevedo Curvello (Universidade Católica de Brasília) – diretor editorial; e Profa. Dra. Celsi Brönstrup Silvestrin (UFPR) – diretora de relações públicas. Compõem o Conselho Consultivo: Profa. Dra. Cicilia Maria Krohling Peruzzo (Umesp), Profa. Dra. Sidinéia Gomes Freitas (ECA-USP), Prof. Dr. Fábio França (Umesp) e Prof. Ms. Paulo Roberto Nassar de Oliveira (ECA-USP/Aberje). Integram o Conselho Fiscal: Profa. Dra. Maria Aparecida Ferrari (Umesp/ECA-USP), Profa. Dra. Maria do Carmo Reis (UFMG) e Prof. Ms.. Ricardo Caribé Cavalcante (BA).

Na ocasião, a Abrapcorp prestou uma homenagem especial à Profa. Dra. Maria Stella Thomazi, mestre (Metodista) e doutora (ECA-USP) em Ciências da Comunicação/Relações Públicas, presente na Assembléia. Acolhendo proposta da nova presidente, ela foi eleita, por unanimidade, como primeira sócia honorária, em reconhecimento por sua dedicação à carreira acadêmica e à defesa permanente da profissão, seja como presidente e membro do diretório nacional da Associação Brasileira de Relações Públicas (ABRP), seja como empreendedora, tendo ela liderado a realização de grande número de eventos de Relações Públicas no Brasil e na América Latina.

[Waldemar Luiz Kunsch]
Sociedades científicas definem proposta do campo da comunicação para a nova tabela de áreas de conhecimento

Sociedades científicas do campo comunicacional, reunidas na ECA-USP, na tarde de 31 de outubro, chegam a proposta consensual para a Tabela das Áreas de Conhecimento. Veja a proposta:

TAC - Tabela das Áreas de Conhecimento

Grande área: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Área: Comunicação

Sub-áreas

1. Cibercultura e Tecnologias da Comunicação
2. Comunicação Audiovisual - Cinema, Rádio e Televisão
3. Comunicação Organizacional, Relações Públicas e Propaganda
4. Jornalismo e Editoração
5. Mediações e Interfaces Comunicacionais
6. Teorias da Comunicação

Esta proposta será encaminhada ao Presidente da Comissão Mista CNPq/CAPES/FINEP pela nossa representante de área, professora Maria Immacola Vassalo de Lopes.

Participaram da reunião os representantes da INTERCOM, SBPJor, SOCINE e FORCINE. Enviaram propostas os presidentes da COMPÓS e do FNPJ. Também estiveram presentes os Representantes da área junto ao CNPq (Maria Immacolata V. Lopes) e à CAPES (Marcius Freire).

 

INTERCOM posiciona-se sobre a Comunicação como área de conhecimento

A Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – INTERCOM, exerceu papel histórico no sentido de incluir  a COMUNICAÇÃO como área autônoma de conhecimento no sistema nacional de ciência e tecnologia e de sedimentar sua legitimação perante as agências nacionais e regionais de fomento científico.  Essas conquistas fortaleceram sua condição de entidade aglutinadora do maior contingente nacional dos pesquisadores vinculados aos distintos segmentos do campo comunicacional,  respaldando o seu credenciamento como associação integrante da rede de sociedades científicas capitaneadas pela SBPC – Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Em função disso, a INTERCOM tem acompanhado atentamente o processo de redefinição das áreas de conhecimento liderado pela Comissão Mista constituída por representantes da Capes/CNPq/Finep.

 

Tanto assim que fortaleceu pro-ativamente o fórum promovido pela representante de área junto ao CNPq, nos dias 20-21 de maio deste ano, na cidade de São Paulo. Como resultado do consenso obtido naquele encontro, de que participaram os dirigentes das demais sociedades científicas ou representantes das comunidades segmentadas – Teoria da Comunicação, Jornalismo, Propaganda, Relações Públicas, Radialismo, Editoração, Audiovisual, Cibermídia etc. – endossou a proposta de redefinição das sub-áreas, posteriormente encaminhada ao presidente da comissão mista.

 

Essa proposta buscou preservar as sub-áreas historicamente incluídas na tabela vigente, além de contemplar os segmentos investigativos que estão emergindo, em sintonia com as tendências internacionais da nossa área. Trata-se de uma configuração abrangente, que reflete a nossa complexidade, abrigando não apenas as linhas de pesquisa privilegiadas pela pós-graduação, mas garantindo o espaço ocupado pelos projetos realizados na graduação, desenvolvidos nos grupos de pesquisa mantidos pelos setores público, privado e terciário, bem como no âmbito das profissões que integram o universo comunicacional.

 

Por isso mesmo, a Diretoria da INTERCOM recebeu com perplexidade a primeira versão da TAC - nova tabela oriunda da comissão mista das agências nacionais de fomento científico -, ponderando que a redivisão proposta, além de restritiva e polêmica, deixa de contemplar as principais sub-áreas da pesquisa aplicada, bem como os segmentos ascendentes da pesquisa experimenta, que dão conta daqueles novos objetos resultantes das inovações tecnológicas.

 

O campo da COMUNICAÇÃO tem perfil multifacetado, compreendendo um conjunto de conhecimentos teórico-práticos, construídos em função das demandas oriundas das indústrias midiáticas, dos serviços públicos e das organizações comunitárias, englobando profissões legalmente reconhecidas e socialmente legitimadas, cuja segmentação deve ser necessariamente refletida no elenco das sub-áreas, como vem ocorrendo até agora, e não diluídas no vasto território das especialidades.

 

Assim sendo, a INTERCOM solicita a revisão da TAC, reivindicando a incorporação das sub-áreas (a seguir transcritas) propostas pelo documento consensual que o coletivo das sociedades científicas da área encaminhou ao CNPq, onde está espelhada a clivagem correspondente à atividade peculiar da pesquisa comunicacional.

 

Área – Comunicação

Sub-áreas:

- Epistemologia da Comunicação

- Cinema e Audiovisual

- Rádio e Televisão

- Jornalismo

- Relações Públicas e Comunicação Organizacional

- Publicidade e Propaganda

- Editoração e Cultura do Impresso

- Cibercultura

- Cultura Midiatizada

- Comunicação e Interfaces

São Paulo, 30 de setembro de 2005

Diretoria da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação –  www.intercom.org.br

Obs. a proposta oficial em debate pode ser conhecida a partir do site do CNPq

Pesquisadores reunidos na USP chegam a nova proposta
Em reunião convocada pela representante da área de Comunicação junto ao CNPq, prof. Maria Immacolata V. de Lopes, na ECA/USP, nos últimos dias 20 e 21, com representantes de entidades da área e outros pesquisadores, para discutir e obter subsídios para encaminhamento, atendendo a uma demanda das agências financiadoras, CNPq, CAPES e FINEP, de uma proposta para a reformulação e atualização da tabela de área, subáreas e especialidades da Comunicação, chegou-se a uma nova proposta (que pode ser baixada aqui), ainda inconclusa.
 
O novo texto, que poderá receber novas contribuições, recupera a presença das áreas de RP e de Comunicação Organizacional. Vale destacar, no resultado até agora alcançado, a atuação, na reunião, dos representantes das áreas,  Margarida Kunsch e Fábio França.
COMPÓS, em reunião no dia 29, aprovou nova proposta

A informação recebida da professora Claúdia Moura (vide mensagem abaixo) confirmou-se hoje com nova mensagem, agora recebida da professora Maria do Carmo Reis, da UFMG.

A COMPÓS, em reunião realizada na última sexta-feira, 29 de abril, votou aquela que será a proposta oficial da entidade a ser apresentada ao CNPq. Veja aqui o relato da reunião, elaborado pelo professor Paulo B., da UFMG, com as propostas avaliadas e a que finalmente foi votada (arquivo em formato PDF).

COMPÓS teria outra classificação de áreas

Prezados leitores,

Publico, na íntegra, mensagem recebida da professora Claúdia Peixoto de Moura, da PUC-RS, ex-coordenadora do Núcleo de Pesquisa Relações Públicas e Comunicação Organizacional da Intercom, informando sobre uma nova proposta para a tabela de áreas de conhecimento elaborada no âmbito da COMPÓS e discutida no programa de pós-graduação da PUC. Nessa proposta, Relações Públicas e os estudos Organizacionais estariam contemplados. Confira abaixo:   

"Olá Curvello!
Recebi um e-mail do nosso Programa de Pós-Graduação com a proposta da Compós para as Áreas do Conhecimento.
Estou te repassando a tabela votada:

1-Teorias
 
Epistemologia
Metodologias
História
Ética
Estética
 
2-Processos Sociais
Política
Economia Política
Sociabilidade
Subjetividade
Estratégias
Recepção
 
3) Mídias
Rádio
Televisão
Cinema
Fotografia
Vídeo
Internet
Impressas
 
4) Processos de Produção
Jornalismo
Relações Públicas
Publicidade
Editoração
Organizacionais
 
5) Estética e Linguagens
Produção de Sentido
Crítica da Mídia
Arte e Mídia

Como tu podes ver, Relações Públicas está classificada junto ao Jornalismo, à Publicidade, à Editoração e aos Processos de Produção Organizacionais. Penso que a notícia a respeito da exclusão de RP não tem fundamento.
Um abraço,
Cláudia Moura
"

Discussão está na agenda acadêmica

A representante da área de Comunicação junto ao CNPq, professora Maria Immacolata Vassalo de Lopes, da ECA/USP, enviou a seguinte mensagem em sua lista de distribuição. Já temos a confirmação de que a professora Margarida Kunsch estará presente nessa reunião. Temos até essa data para propor um texto de sustentação para a proposta de reconhecimento da tradição da pesquisa em Relações Públicas e Comunicação Organizacional no Brasil.

A seguir, a íntegra da mensagem enviada pela representação da área de comunicação:

"Caros colegas
Estou organizando uma reunião com pesquisadores especializados no
tema da configuração do campo da Comunicação. Ela deverá ser em São
Paulo, em maio, em data a confirmar.
Ela é movida pela necessidade de enviar propostas da área, através
de sua representante no CNPq, contribuindo assim para a formulação
da nova tabela das áreas do conhecimento.
As nossas propostas devem ser encaminhadas até 31 DE MAIO à Comissão
Especial de Estudos das Áreas do Conhecimento formada por
CAPES/CNPq/FINEP
Um forte abraço,
Immacolata

A seguir, passo a vocês as seguintes informações, feitas com base em
deliberações dessa Comissão

1.O trabalho da comissão se reveste da maior importância para o
desenvolvimento da ciência e tecnologia e da educação no país. Desde
a década de noventa, membros da comunidade de pesquisa caracterizam
a Tabela atual como defasada e mesmo anacrônica em relação ao
desenvolvimento da pesquisa e do ensino, apresentando lacunas,
imprecisões descritivas e abrangências insuficientes em áreas e
subáreas, o que obriga as instituições a adoção de expedientes para
contornar variados problemas;

2.Uma nova Tabela deve afetar positivamente a pós-graduação, a
gestão e a organização e sistematização de dados estatísticos, bem
como as bibliotecas e outros sistemas de informação em ciência e
tecnologia. Tendo em vista as dificuldades que podem ocorrer na
implantação da nova Tabela, a Comissão deve procurar garantir a
maior legitimidade possível a seu trabalho, aprofundando e ampliando
a discussão com a comunidade científica;

3.Pretende-se que a nova Tabela esteja em sintonia com as tendências
internacionais. Ex: International Council of  Science, do Social
Sciences Council e da  Australian Standard Research Classification ;

4.  A revisão da Tabela atual poderia ser feita através de
enxugamento ou expansão das áreas atuais;
      
5. A nova Tabela  poderá ser utilizada em sistemas e serviços de
informação em C&T. Portanto, todo o cuidado é necessário no sentido
de preservar o melhor possível as séries estatísticas;

6. A grande dificuldade na elaboração da nova Tabela será a
consideração adequada da forte tendência de interdisciplinaridade
das áreas do conhecimento; deve-se atentar para a possibilidade de
que a nova Tabela se torne rapidamente desatualizada;

6. A classificação das Áreas do Conhecimento tem finalidade
eminentemente prática, objetivando proporcionar aos órgãos que atuam
em C&T uma maneira ágil e funcional de agregar suas informações. As
atuais estruturas de dados dos Comitês Assessores das agências de
fomento refletem necessidades de agrupamentos de áreas em função de
recursos. A nova Tabela deve ter em conta essas necessidades.
 
7. A Comissão tem prazo de até três meses para elaborar nova tabela
e colocá-la discussão no âmbito da comunidade e ampliar ao máximo a
discussão mobilizando universidades, instituições de pesquisa e
sociedades científicas.

8. Quanto ao levantamento dos atuais problemas das grandes áreas,
foram criadas três subcomissões com o objetivo de sistematizá-los:
de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas; de Ciências da Vida e de
Ciências Exatas e da Terra. A essas subcomissões deverão ser
encaminhadas as propostas das áreas."

Pesquisadores de Minas Gerais marcam posição

Professores mestres e doutores mineiros dedicados ao estudo da sub-área da Comunicação Organizacional, nas suas diversas práticas (Relações Públicas, Assessoria de Comunicação, Marketing, etc) e interfaces (Gestão de Pessoas, Sistemas de Informação, Psicologia do Trabalho, etc), manifestaram sua posição com respeito à proposta elaborada pela comissão patrocinada pela COMPÓS.

Clique aqui para acessar a carta manifesto enviada pelos professores de Minas Gerais à diretoria daquela entidade. 

Comissão da COMPÓS apresenta proposta limitada

Em março de 2004, comissão formada no âmbito da Associação dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (COMPÓS) apresentou relatório com propostas para reclassificação das sub-áreas de conhecimento vinculadas ao campo da comunicação.

Baixe aqui a íntegra do relatório e perceba que as áreas de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas não foram contempladas no estudo.

 

Bem-vindos ao debate

Bem-vindos ao blog Comunicação Organizacional e Relações Públicas como áreas de conhecimento.

Este pretende ser um espaço de congregação da comunidade acadêmica e de discussão de estratégias para garantir que as áreas de Comunicação Organizacional e Relações Públicas sejam incluídas na nova Tabela das Áreas de Conhecimento, atualmente em processo de construção por uma comissão formada pelas principais agências de fomento (CNPq, CAPES e FINEP).

Para mais detalhes sobre a comissão e o processo, clique aqui. Para visualizar a atual Tabela de Áreas de Conhecimento (Ciências Sociais Aplicadas), acesse aqui.

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
Visitante número: